Visão Celular

O Ministério Vinde a Cristo é uma igreja em células fundamentada no discipulado do grupo dos 12. Acreditamos que essa estratégia nos dará um crescimento substancial, além do que, uma maior atenção de pastoreio àqueles que fazem parte desse rebanho, tanto nas suas deficiências, como também nas suas aspirações ministeriais.

CONHECENDO O PROJETO BIBLICO PARA IGREJA DE CRISTO.

Você conhecerá a igreja de Atos, a igreja modelo, a igreja de duas asas, a igreja da
comunhão, a igreja da unidade, a igreja da conquista.

CONHECENDO A VISÃO DA IGREJA (VINDE) DENTRO DO CONTEXTO BIBLICO.

Saberão que a Vinde segue esses princípios e colocará ao seu alcance todo o
conhecimento da visão celular.
– Conselho de JETRO.
– Escada do Êxito – Ganhar-Consolidar-Discipular e Enviar

BASES BÍBLICAS PARA IGREJAS EM CÉLULAS

Jetro, cheio de sabedoria, observou que seu genro Moisés passava praticamente o tempo todo julgando e resolvendo as questões do povo hebreu o que lhe era tremendamente estafante, não lhe restando tempo nem forças para outras atividades também importantes. Aconselhou-o então a dividir o povo em pequenos grupos com chefes de mil, de cem, de cinquenta e de dez para que resolvessem as questões básicas do povo. Moisés pode então exercer uma liderança eficaz entre o povo. Nem por isso Moisés perdeu poder, ao contrário, ele cresceu ainda mais (Êxodo 18. 1 a 27).

O ministério de Jesus foi o exemplo de um pequeno grupo. Liderou por cerca de 3,5 anos um grupo básico de 12 pessoas e estes, após o Pentecostes, multiplicando-se mudaram a história do mundo e a nossa sorte.

A Igreja Iniciante se reunia no templo judeu e nos lares – Atos 2. 46 e 47 e 5. 42.
Em Atos 20.20 Paulo anunciava o evangelho de casa em casa.

No capítulo 16 da carta de Paulo aos romanos ele faz recomendações e saudações a vários líderes dirigentes (pastores) de igrejas caseiras, conhecidos e treinados por ele na Ásia, inclusive mulheres (Priscila e Áquila, Epêneto, Maria, Andrônica e Junia, Urbano, Trifena e Trifosa, Pérside, Júlia e outros, além de Febe). Cita ainda nominalmente 05 igrejas caseiras (versos 5, 10, 11, 14 e 15).

Outras citações:- I Coríntios. 16.19, Gálatas 1.2, Filipenses 4.22, Colossenses 4.15, II Timóteo 4.19, Filemon 2, etc.

CÉLULAS MULTIPLICADORAS

As células de multiplicação são as reuniões de pessoas salvas, já integrantes do Corpo de Cristo, e de pessoas que desejamos alcançar com o Evangelho. As reuniões das células possuem o objetivo precípuo de evangelismo; nelas, outras células são geradas, logo, é um excelente lugar para convidarmos os ainda descrentes.

Cada célula é composta de, no mínimo, três componentes. Não existe limite para o seu crescimento, tal como o corpo que se desenvolve por meio da multiplicação celular, no entanto, entendemos que, aliada à praticidade do modelo de doze, cada célula não deve ultrapassar o número de vinte e cinco componentes, pois tendo a assistência de tal número, já é possível a multiplicação.

COMO SE DÁ A MULTIPLICAÇÃO DA CÉLULA?

Sugerimos que a multiplicação da célula proceda da seguinte maneira: doze permanecem na célula original enquanto os outros passam a reunir-se separadamente, dando início a outra célula. Esse é o nosso procedimento, porém caso se resolva efetuar a multiplicação com menos pessoas, isso é possível.

ONDE AS CÉLULAS SE REÚNEM?

As células reúnem-se semanalmente em lares, em escritórios, em fábricas, em escolas, em estacionamentos, em restaurantes, enfim, em qualquer lugar fixo e com horário previamente combinado.

O alvo é que células comecem a crescer e a multiplicar-se abundantemente por todos os lugares da nossa cidade, do nosso Estado, da nossa nação e até além fronteiras (Mt 28:19-20).

QUAL O OBJETIVO DAS CÉLULAS DE MULTIPLICAÇÃO?

O objetivo é ganhar vidas, salvar famílias, conquistar cidades. É necessário um método organizado para ganhar almas, e as células de multiplicação, bem como a oração estratégica dos cultos de celebração aliadas à consolidação, são a metodologia adotada numa Igreja em Células.

A Oração por Três é uma estratégia fantástica para auxiliar nesse processo de multiplicação, pois ela, de fato, quebra fortalezas e define alvos a curto prazo, dando excelentes resultados. Essa estratégia deve ser utilizada nas células e também nos G12.

QUAL A ÊNFASE DAS REUNIÕES DAS CÉLULAS?

A ênfase das células é a evangelização (o crescimento espiritual vem através do discipulado e será efetivado através dos grupos de doze ou G12).

As células ainda não são maduras, portanto nas reuniões de células é necessário que se evitem manifestações (dos dons espirituais) desconhecidas dos não-crentes, pois dada a falta de maturidade dos participantes da célula, talvez não houvesse um julgamento eficaz de profecias, de línguas, de visões, revelações, etc. Essas manifestações e unções são incentivadas nas reuniões de G12, onde o discipulador pode responsabilizar-se pelo ocorrido. Um dos objetivos do G12 é justamente o desenvolvimento dos dons espirituais.

QUEM LIDERA AS CÉLULAS?

As células são lideradas pelos membros de G12 que, já tenham pelo menos começado a frequentar a Escola de Líderes.

AS REDES

As células também se agrupam por Redes, tal como, no corpo as células de juntam para formar tecidos e órgãos.

O QUE SÃO CÉLULAS DE EDIFICAÇÃO

O QUE SÃO G12?

São grupos homogêneos, compostos de doze discípulos ministrados por um discipulador, que, por sua vez é discípulo de alguém na hierarquia das gerações, porque a visão da igreja em células é fazer de cada discípulo um líder.

POR QUE “DOZE”?

“E vi um novo céu e uma nova terra. Porque já se foram o primeiro céu e a primeira terra, e o mar já não existe. E vi a santa cidade, a nova Jerusalém, que descia do céu da parte de Deus, adereçada como uma noiva ataviada para o seu noivo. E ouvi uma grande voz, vinda do trono, que dizia: Eis que o tabernáculo de Deus está com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e Deus mesmo estará com eles.

Ele enxugará de seus olhos toda lágrima; e não haverá mais morte, nem haverá mais pranto, nem lamento, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas. E o que estava assentado sobre o trono disse: Eis que faço novas todas as coisas. E acrescentou: Escreve; porque estas palavras são fiéis e verdadeiras.
Disse-me ainda: está cumprido: Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim. A quem tiver sede, de graça lhe darei a beber da fonte da água da vida. Aquele que vencer herdará estas coisas; e eu serei seu Deus, e ele será meu filho. Mas, quanto aos medrosos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos adúlteros, e aos feiticeiros, e aos idólatras, e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago ardente de fogo e enxofre, que é a segunda morte. E veio um dos sete anjos que tinham as sete taças cheias das sete últimas pragas, e falou comigo, dizendo: Vem, mostrar-te-ei a noiva, a esposa do Cordeiro.
E levou-me em espírito a um grande e alto monte, e mostrou-me a santa cidade de Jerusalém, que descia do céu da parte de Deus, tendo a glória de Deus; e o seu brilho era semelhante a uma pedra preciosíssima, como se fosse jaspe cristalino; e tinha um grande e alto muro com doze portas, e nas portas doze anjos, e nomes escritos sobre elas, que são os nomes das doze tribos dos filhos de Israel.
Ao oriente havia três portas, ao norte três portas, ao sul três portas, e ao ocidente três portas. O muro da cidade tinha doze fundamentos, e neles estavam os nomes dos doze apóstolos do Cordeiro.
E aquele que falava comigo tinha por medida uma cana de ouro, para medir a cidade, as suas portas e o seu muro.
A cidade era quadrangular; e o seu comprimento era igual à sua largura. E mediu a cidade com a cana e tinha ela doze mil estádios; e o seu cumprimento, largura e altura eram iguais. Também mediu o seu muro, e era de cento e quarenta e quatro côvados, segundo a medida de homem, isto é, de anjo.
O muro era construído de jaspe, e a cidade era de ouro puro, semelhante a vidro límpido. Os fundamentos do muro da cidade estavam adornados de toda espécie de pedras preciosas. O primeiro fundamento era de jaspe; o segundo, de safira; o terceiro, de calcedônia; o quarto, de esmeralda; o quinto, de sardônica; o sexto, de sárdio; o sétimo, de crisólito; o oitavo, de berilo; o nono, de topázio; o décimo, de crisópraso; o undécimo, de jacinto; o duodécimo, de ametista.
As doze portas eram doze pérolas: cada uma das portas era de uma só pérola; e a praça da cidade era de ouro puro, transparente como vidro. Nela não vi santuário, porque o seu santuário é o Senhor Deus Todo-Poderoso, e o Cordeiro.
A cidade não necessita nem do sol, nem da lua, para que nela resplandeçam, porém a glória de Deus a tem alumiado, e o Cordeiro é a sua lâmpada. As nações andarão à sua luz; e os reis da terra trarão para ela a sua glória. As suas portas não se fecharão de dia, e noite ali não haverá; e a ela trarão a glória e a honra das nações.
E não entrará nela coisa alguma impura, nem o que pratica abominação ou mentira; mas somente os que estão inscritos no livro da vida do Cordeiro.
E mostrou-me o rio da água da vida, claro como cristal, que procedia do trono de Deus e do Cordeiro. No meio da sua praça, e de ambos os lados do rio, estava a árvore da vida, que produz doze frutos, dando seu fruto de mês em mês; e as folhas da árvore são para a cura das nações.
Ali não haverá jamais maldição. Nela estará o trono de Deus e do Cordeiro, e os seus servos o servirão, e verão a sua face; e nas suas frontes estará o seu nome.
“E ali não haverá mais noite, e não necessitarão de luz de lâmpada nem de luz do sol, porque o Senhor Deus os alumiará; e reinarão pelos séculos dos séculos.” (Ap 21:1-27 e 22:1-5)

Doze é o número que fala da ciência e da totalidade perfeita; na economia de Deus é a perfeição na ciência, no conhecimento. Um dia têm doze horas, uma noite outras doze. O sol rege doze horas e a lua reflete o brilho do sol por mais doze horas. Quantos meses têm o ano? Doze. Quantos números há nos relógios? Doze. Se tiver onze ou treze, funciona? Não.

Israel tinha doze estandartes quando saiu do Egito (Nm 10:11-28). Jacó teve doze filhos dos quais saíram as doze tribos de Israel (Ex 28:21). Josué separou doze pedras, e nelas escreveu os nomes das doze tribos (Js 4:1-10). Doze homens foram espiar a Terra Prometida. Quantos profetizaram em Israel no tempo de Moisés? Seis grupos de doze. Davi tinha doze chefes das tribos de Israel (I Cr 29:6), Salomão tinha doze chefes, chamados príncipes (I Rs 4:7). Os guerreiros eram organizados em doze pelotões. Para formar uma comunidade legal em Israel, eram necessários doze homens (dez homens além do oficiante e da autoridade rabínica). Doze eram os pães e doze os peixes usados para o milagre da multiplicação, doze foram os cestos recolhidos. Doze anos permaneceu doente a mulher hemorrágica, até que encontrou a Cristo; também doze anos tinha a filha de Jairo quando foi ressuscitada por Jesus.

Quantas portas têm a Nova Jerusalém? Doze. Quantos tronos? Doze. Quantos anos tinha Jesus quando ascendeu a Jerusalém para fazer o “BarMitshvah” (Lc 2:42)? Doze. Quantos eram os discípulos de Jesus? Doze (Lc 6:13). Quantos apóstolos foram ungidos? Doze (Mt 10:3 e At 6:2).

Na pedagogia moderna diz-se que a melhor quantidade para formar uma classe, a fim de facilitar o aprendizado, é doze. Doze é o número da ciência pedagógica, doze é o número do governo perfeito, doze é o número do equilíbrio e da funcionalidade, doze é o número que fala da harmonia, do equilíbrio e dos resultados. No Didaquê (MATERIAL DE ENSINO) o número doze significa administração e acompanhamento qualitativo.

Billy Graham, Ralph Neighbor, Laurence Kong, David Yong Cho, aprovam o modelo dos doze e o estimulam, pois essa é a linguagem para a virada do milênio.
O modelo dos doze deve estar no peito. (Ex 28:15-21). Esse modelo dos doze nos devolve o sacerdócio, nos dá uma equipe eficiente (Ex 28:3). Cada um dos doze é uma pedra preciosa de valor.

QUAL A FUNÇÃO DOS G12?

Os G12 trabalham para conquistar as gerações.

1ª geração – 12 discípulos
2ª geração – 144 discípulos
3ª geração – 1.728 discípulos
4ª geração – 20.736 discípulos

COMO SE FORMA UM G12?

Só é possível começar a formar um G12 quando já se puder contar com dois discípulos, para com eles formar uma célula (mínimo de três componentes). Só podem participar dos G12 pessoas que já tiverem participado do Encontro.
Não se “escolhe” os doze, o alvo é buscar no coração de Deus aqueles que Ele mesmo escolheu. Deus tem os melhores “doze” escolhidos para cada um. Se Ele já escolheu o melhor, por que, na precipitação, escolher o que não foi selecionado pelo Senhor?

QUAL O OBJETIVO DOS G12?

O objetivo dos G12 é fazer de cada membro um líder, é possibilitar que toda a igreja seja ministrada na mesma linguagem, que todos sejam acompanhados individualmente. O objetivo funcional é que todos os componentes dos G12 passem pela Escola de Líderes, pois, nessa visão, todos são convocados a serem líderes e precisam de treinamento.

QUEM SÃO AS PESSOAS QUE PODEM VIR A COMPOR OS G12?

Em termos ideais, cada G12 de uma pessoa é formado por seus “filhos na fé”, por pessoas que ele próprio consolidou, ou, pelo menos, de entre as pessoas que compõem as células que essa pessoa lidera. A completude da visão se dá quando os G12 são formados como frutos do trabalho das células coordenadas por cada discípulo.
A escolha dos componentes de um G12 deve ser feita com muita cautela e debaixo de muita oração. Não é o discípulo que escolhe o discipulador, é o discipulador que gera o discípulo, assim como não é o filho que escolhe o pai, mas uma vez gerado, ama-o. Os grupos de doze não são compostos por preferências pessoais, mas por convicções geradas na oração (I Sm 16:7).
Jesus era disciplinado em oração. Ele orou a noite toda para escolher seus doze discípulos, para formar seu G12 (Lc 6:12-16). É necessário orar por cada um dos seus! É necessário gerá-los e consolidá-los: esse é o objetivo que fará com que se tenham grupos sadios.

QUAL O TEMPO DE FORMAÇÃO DE UM G12?

Uma célula pode ser formada em uma semana, ou até em um dia, mas um G12 pode levar bastante tempo para ser formado, até diversos meses ou anos. Na formação de cada um dos G12 deve-se observar a maturidade das pessoas convidadas, para que se evitem problemas crônicos nos grupos, pois a intenção é a de que os componentes do grupo sejam definitivos. Para fazer parte dos doze é preciso que seja alguém tratável, ensinável, e submisso, alguém que lute para alcançar uma vida de santidade.
Os doze não vêm prontos, mas o projeto de Deus para os doze já está pronto: gerar 144, 1.728… e conquistar a cidade.
A visão dos doze saiu de Jerusalém, a visão dos doze voltará para Jerusalém, e fará com que os povos se voltem para onde tudo começou.

TODOS OS MEMBROS DE G12 SÃO MEMBROS DE CÉLULAS?

É possível que haja pessoas com muitas células, mas que ainda não formaram sua primeira geração de discípulos (12), ou sua segunda geração (144). É preferível esperar e conquistar com segurança, sem precipitação, do que posteriormente ter trabalho desnecessário.

CONHECENDO O – GANHAR – CONSOLIDAR – DISCIPULAR – ENVIAR

Ai estão os quatro degraus da escada do sucesso que serão bases para toda caminhada tanto do novo convertido como do veterano da igreja. Ela é processada de uma forma que, além de trazer muito conteúdo bíblico, adestra a pessoa em velocidade muito grande formando um líder de sucesso em um tempo hábil.

GANHAR – é quando tiramos da mão do inimigo aquela vida que ainda não conhecia a salvação através de JESUS CRISTO. Lembra-se que JESUS falou que faria dos seus discípulos pescadores de homens. O ganhar é como se fosse uma pescaria, você tem que ser um exímio pescador, deve saber o costume dos peixes, as iscas atrativas. Uma alerta, essa pescaria não é uma pescaria esportiva, onde você pega o peixe e o larga novamente. Você vai ser o responsável de conduzir o seu “peixe” pela escada do sucesso. O ganhar acontece através do evangelismo pessoal, das células de multiplicação, cultos das Redes e cultos de celebração. Podemos realizar programas que atraiam as pessoas segundo a sua faixa etária – chás, cafés, jantares

CONSOLIDAR – é o processo de firmar o novo convertido na fé, é doutrinar, ensinar o caminho das trevas para a luz. Uma vez fisgado o peixe, você será o responsável de consolidá-lo nessa nova caminhada. Ele não sabe nada da Bíblia, ou se sabe alguma coisa é de uma maneira destorcida, você o ensinara, orará com ele, dará a ele todo o suporte e conhecimento para permanecer dentro da igreja. Isso aqui requer muito amor e compromisso. Sua atenção aqui é primordial dessa forma ser conduzido ao Pré-Encontro, Encontro e Pós-Encontro. Depois de tudo isso, o novo discípulo é incentivado a ingressar na Escola de Lideres e cumprir todas as etapas da Visão Celular. Esse é o processo mais singular da Visão Celular, tanto que chamamos a consolidação de “pulmões da visão”. A consolidação bem planejada é o sustentáculo da multiplicação.

DISCIPULAR – o discipulado é um processo que não termina jamais. Essa pessoa que você ganhou para JESUS sempre estará com você para receber os direcionamentos necessários. Você vai corrigir todas as distorções que ele é portador- no lar, na criação dos filhos, na sociedade, na igreja. Aqui será revelado se a pessoa que você ganhou verdadeiramente se tornará um bom discípulo; ele terá que mostrar mansidão quando você se intrometer na sua vida.

ENVIAR – o “peixe” cheio de escamas e sujo esta pronto para ser enviado. Agora ele também é um pescador. Agora ele é um ganhador de almas, um plantador de igrejas, um líder de excelência. Nessa etapa da Visão Celular, o líder forma a sua 1ª geração. Na visão celular, o ideal antes de levar as pessoas a qualquer culto é introduzi-las sabiamente em uma célula. Muitas pessoas têm medo de igreja, estão assustadas e traumatizadas por escândalos. Nesses casos, a reunião em casa é melhor. Somos uma igreja em Células, e quando a pessoa já via chegando no Reino com uma mentalidade de célula, compreende melhor a Visão.